img_9438

Coisinhas sobre maternidade e gestação

Publicado em 16/11/2016 • Dicas Zen

Quem me conhece sabe que tento seguir uma alimentação e vida mais natural, evitando algumas coisas que contém químicos não legais, sempre que dá. A parte mais difícil sempre é a alimentação, por falta de tempo, mas nas demais categorias, já estou caminhando bem. Na gravidez não foi diferente e, por isso, achei bacana compartilhar algumas atitudes que tomei com vocês. Não que eu esteja certa ou seja especialista, mas foi o que senti que era para fazer e fui fazendo e me sentindo confortável com as escolhas. =)

Gravidez

Descobri a gravidez com poucas semanas e definitivamente não fiquei esquizofrênica com alimentação e atividade física. Ainda estava trabalhando muito e fiz o que foi possível. Curti como deu, dentro dos limites. A primeira coisa que fiz foi cortar o café, mas isso aconteceu antes de descobrir que estava grávida. Tive um pouco de azia com leite e ovos, e apenas isso. No mais, tudo transcorreu muito tranquilamente. No caso de pés inchados, água morna com sal grosso e óleo de lavanda. Senti que podia ter dormido mais e isso fez diferença na qualidade da gestação e no meu cansaço. Mas com o uso de florais, tentei driblar mais isso. No mais, comi que só, senti o fluxo da fome e comi. Comi até perder as contas, mas meu organismo pedia, e eu dava, sem medo de errar. A gravidez foi um momento bem mágico, com mudanças no corpo e mudanças hormonais fortes, mas tentei me manter no controle e o máximo que pude ter foi uns picos de ansiedade extrema, que passavam logo. Então, acho que o negócio é sentir o que pode ou não comer e fazer, usando a intuição.

Fotos

Tentei pensar em como resolver o fato de não gostar muito desses books com o fato de ser um momento único. Resolvi fazer e foi bem legal, porque optei por um lugar meio mato e deu para ficar bem bom. Quem fez as fotos foi a Momentos Fotografia. Roberto e Flávia foram muito gente boa e pacientes, taí o resultado! Minha cara, não? :) Contato: 98839.1304

Parto

bebePensei que estava com gases, tomei um Buscopan, não passou a agonia, às 3h da manhã a bolsa estourou. Corremos pra maternidade, às 4h20 o menino já tinha nascido, com 36 semanas e pouco. Senti dor, mas era mais como uma forte cólica. A pediatra que estava na sala de parto me ajudou muito dando dicas de respiração, que, ao invés de curtas, longas. Nas longas respirações, a oxigenação chegava mais. Então quando a contração vinha, respirava longo e fazia a força lá embaixo, pro neném sair. Também pedi uma almofada de triângulo, que ajudou que só. Nasceu assim, rápido, lindo. Uma dor “tranquila”, dentro do limite. Porém, levei alguns pontos que doeram bastante durante 10 dias. E o sangramento incomoda demais, por longos 15 dias, mesmo porque não dá pra usar coletor menstrual nessa época. No dia que pari eu estava pra cima e pra baixo, mas acho que essa não foi uma boa opção, eu mal sabia o que era resguardo e achava que tudo que eu não sentia dor eu podia fazer. Resultado, acho que os pontos doeram mais por isso. Porém, assim que caíram a dor melhorou significativamente, tirando o inchaço e a parte de esperar limpar todo o sangue. Dia após dia, foi melhorando. Tem que respeitar seu próprio corpo. Mais uma vez a ansiedade chegava a esbarrar no controle. Mas também, vamo combinar, o bebê tinha acabado de nascer!

Amamentação

Logo que o bebê chegou no quarto, ele abriu a boca e fez a pega de primeira. Parecia um peixinho. Mas depois começou a dificuldade de descer leite do primeiro dia. Continuei estimulando e somente no terceiro dia veio mais normal, com maior frequência e intensidade. Aproveitei para tomar bastante suco de uva, água de coco e água mineral. Não fui para sol, não ralei, não fiz nada dessas coisas. Só super hidratei. Agora, com 15 dias, já está mais doloridinho, mas é que o menino tá mais forte, aí já viu, ne? Porém, acho que é isso, hidratar e ficar com a cabeça numa nice. Ah! Tem gente que usa tintura de algodoeiro para estimular o leite. Não testei, mas minhas tias dizem que é bom! Ah! Amamento em livre demanda, sempre que ele quiser. Uma coisa que descobri é que ele mama em demasia para ficar ‘mais perto de mim’, ou seja, a amamentação não é somente uma questão de nutrição, mas emocional também. Então, tenho dado o peito, mas interagido mais com ele, cantando, dançando e fazendo-o se sentir mais amado. Alguns contatos de doulas foram muito bons para mim, mas não consegui fazer o acompanhamento pré-parto. Se você puder, acho que é válido.

Cuidados gerais

Beeeeeeeem! Tá aqui a parte que eu sou a doida de pedra. Vamos lá à parte que eu saí substituindo coisas químicas por coisas de vó:

Absorvente de seios: ao invés de ficar produzindo lixo, optei pelas conchas. Ganhei as duas, a pré e pós parto. Pero não precisei usar a pré porque bico não me falta. E a pós é bem útil, mas meu vazamento é light, entonces, uso pouco. Mas ela é ótima.

Lenço umedecido troquei por água morna e algodão. Deixa a garrafa térmica na cômoda e priu. Dica: compra algodão de rolo em loja médica, dura mais e custa uns R$ 7.

Creme antiassadura troquei por óleo de coco. Fica um cheiro de cocada na hora que passa, mas ele hidrata a pele, ajuda a limpar mais profundo e é antifúngico. Muito bom. E rende R$ mais. Porém, tem que ter atenção para não dar fungo no potinho.

Fralda: comprei 8 capas de fralda de pano modernas e 30 recheios. Por enquanto estou usando descartável porque o bebê ainda não cabe nas de pano. O problema do “trabalho” que dá é simples de resolver. Como tenho que lavar roupa do baby todo dia, dá na mesma coisa acrescentar uns panos a mais, e pode lavar até na máquina também. Enfim, opção que ainda não testei, mas não imagino sendo viável uma criaturinha usar por dois anos seguidos o tempo inteiro um absorvente gigante. Marcas que comprei: Morada da Floresta, Dipano e Nós e o Davi.

Perfume: nenhum. Mesma coisa pro talco.

Lava-roupas: um pouco de sabão de coco ou 1 colher de sabão em pó para 1 balde.

Bebê-conforto: é uma tralha obrigatória. Mas ao invés de ficar tirando ele do carro, uso um sling de recém-nascido, que não tem aqueles nós complexos, para sair do carro e ir para algum canto. O sling de 5 metros eu uso, por enquanto, mais para ser a rede de berço do neném. Arruma emprestado que é a melhor opção.

rede-bebe

Sol: por favor, todo dia, às 6h. Diminui a taxa de bilirrubina e faz é bem. Sol é fonte de calor, energia e vida. Eles adoram, mas tem que bater na pele, ta bem?

Chupeta / Mamadeira: resistindo até a última gota para não prejudicar a mamada.

Terapias utilizadas

Desde a gestação, o que mais fiz comigo e com o bebê foi aplicar reiki, tomar florais e enviar amor incondicional através do ThetaHealing para o bebê no ventre. A gravidez transcorreu muito tranquila, sem aperreios, o bebê nasceu na hora que ele achou melhor e os primeiros dias têm demonstrado que ele tem uma clareza e tranquilidade absurdas. Dorme bem, come bem, sorri, é bem tranquilão e esperto. E eu, apesar dos pontos, também me senti bem e ativa desde o começo.

Obviamente que tudo isso traz um monte de críticas, mas paciência, a gente tem que fazer o que a gente acha certo. Se minha família está andando bem assim, que ótimo! E sigamos todos em paz.



Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios