gardenia

Entrevista: Gardênia Fontes de Risos

Publicado em 06/06/2017 • Entrevista

Gardênia Fontes é pisciana e isso explica muita coisa. É daquelas pessoas que contagiam só de estar perto de outro com muita luz e generosidade no processo de cuidar. Mas é daquelas que também encontraram na vida um caminho de aproveitar com alegria, um presente mágico dado pela criação para nós. É como se ela tomasse para si esse presente e se iluminasse ainda mais: “olha como é fácil ser feliz, gente!”. É como se ela soubesse exatamente quem é e para onde vai, mas se quiser mudar de rota, que ótimo, vai saber se divertir ainda mais! É como se no jogo dos planetas, ela fosse a água e o riso. E por onde passe, saber enxergar um bom motivo para rir com todas as entranhas rindo junto, da maneira mais genuína que se possa imaginar. Gardênia é fonte de tudo isso. E se permitiu ser também fonte de cura e de amor para quem quer chegar junto e anunciar: bora simbora se curar!, da maneira mais leve e amorosa que isso possa ser. É como se ela pudesse ser ela mesma, sempre, só pra gente acreditar que é possível ser genuinamente feliz também. E aqui deixo meu convite para ler com amor nosso papo com Gardênia Fontes de Risos e Amor. Confere! ;)

Gardênia, como é que você entrou no universo das terapias?
Sempre fui muito interessada em aprofundar aspectos e dificuldades minhas que me faziam sentir frustrada e infeliz. Sempre vivi minha vida com a sensação de que há “algo mais” nessa experiência do viver. Isso me fez buscar desde cedo caminhos que me apoiassem nessa busca. Comecei a fazer psicoterapia aos 16 e de lá até aqui vem sendo uma grande aventura de profundos mergulhos e descobertas.

Houve algum momento de transição de uma profissão para outra? Hoje você atua somente como terapeuta ? Você ainda se considera designer de interiores?
Não consigo ver claramente a transição. Hoje eu entendo que trabalho com design sim, mas de energias. Meus atendimentos com as frequências de brilho começaram ao mesmo tempo que a faculdade de Design. Foi uma questão de tempo só pra entender o que me fazia feliz, aonde eu estava disposta a me dedicar, o que realmente fazia sentido e fazia meu coração vibrar. Quando a escolha foi feita tudo aconteceu com muita força e compreendi que era aquilo mesmo. Fazem 3 anos que atuo somente como terapeuta de Frequências de Brilho.

O que te motiva a ajudar as pessoas?
O que me motiva é compreender que esse ofício é uma boa parte do meu ser e que preciso dividir com quem estiver aberto para isso. É uma questão de compromisso. Não é que eu acredite que eu ajude diretamente alguém. Existe uma plataforma energética que é sustentada onde a pessoa que chega até ela pode se lançar e encontrar suas próprias respostas. Eu testemunho esses processos.

Todo mundo merece ser livre e poder amar sem medidas. Essa é a real natureza de nós humanos.

Existe também um trabalho de dentro para fora, no sentido de fazer mudanças internas para depois começar a atender? Como foi com você?
Com certeza. Só consigo ir com algum cliente até onde já pude ir. É importante para mim ter essa humildade de perceber onde eu posso ajudar ou não. Reencaminho muitos clientes para outros profissionais quando percebo que não é o suficiente o que disponho. Quanto mais sigo meu processo de autoconhecimento mais fortalecida e desperta me sinto para caminhar ao lado de outra pessoa.

Qual o diferencial de seus atendimentos?
Diferencial? Acredito que por ser uma terapia de base energética e multidimensional traz ao cliente a possibilidade de tocar realidades internas que vão além do ego. Da história pessoal, do que se acredita ser certo e errado… É um caminho onde se pode deixar para trás muito do que se acredita que seja a verdade e somente a verdade para poder criar uma nova realidade no aqui e agora.

O que é maná?
O maná é uma coisa linda :) É um alimento energético capaz de ser produzido por qualquer um de nós. Christine Day (a pessoa que trouxe o trabalho de FB ao Brasil) diz que perdemos a capacidade de produzi-lo organicamente, mas que isso pode ser retomado. O maná nos nutre de diversas formas, temos muitos tipo de “fome”. Somos famintos por muitas faltas reais em nós. A possibilidade de produzir maná nos capacita a essa função de se auto-nutrir, auto-pereceber, ouvir-se, sentir-se… É algo especial.

gardenia2Quando apareceu seu dom? Como foi esse processo de se ver como curadora?
Não me considero curadora. Demorei a entender que não se cura ninguém, temos, todos nós, a capacidade de se auto curar. Me disponibilizo como instrumento da frequência energética e me coloco à serviço. Alguém uma vez me disse que um canal que não trabalha, obstrui. E um amigo me disse que guardar uma informação para si seria como ter uma fruta nas mãos e decidir não compartilhar. Isso me moveu a começar. E por aí venho vindo, aprendendo todo dia um pouco mais sobre esse processo.

Qual a sensação que você tem quando alguém sai da maca mais leve, mais feliz? Já aconteceu de ‘não conseguir’?
“Não conseguir” no processo terapêutico não existe. As vezes a gente acha que o melhor para a pessoa é sair da maca feliz mas as vezes tudo que ela precisa é sentir um incômodo, algo considerado “ruim” e daí se abrem os processos. Mais leve ou mais feliz, triste ou irritado… realmente não importa.

Que técnicas você utiliza hoje? Qual sua paixão?
Trabalho com o pathwork e com as Frequências de Brilho. Todo o processo é maravilhoso, mas confesso que sou apaixonada pelo trabalho com os pleiadianos.

Dentro do consultório, qual a queixa mais recorrente das pessoas e como podemos (nós, o mundo), nos ajudar?
Muitas insatisfações em relação a uma vida onde sempre falta algo. As pessoas sempre chegam falando de uma frustração, um trabalho, um relacionamento, uma falta de vontade de viver.

A sensação é que a maioria vive uma vida que não é a vida que se quer viver. Interessante, né?

A ajuda… Às vezes é difícil ajudar a quem não quer ajuda. Acho que precisamos compreender que cada um vive seu processo. Acho que quanto mais cada pessoa poder viver a verdadeira realidade do seu ser estaremos nos ajudando mutuamente. O que eu faço por mim eu faço por todas as minhas relações e quando falo “mim” falo de todos nós.

Qual momento mais lindo que você já passou na terapia? Como você se vê daqui a 10 anos?
Momentos lindos… Já tive muitos. Presenças espirituais de amor muito puro. Sempre estão presentes… e o coração se preenche de gratidão por tamanho amor incondicional. Presenças que preenchem a sala e nos levam a outras realidades de compreensão, que permitem uma aceleração celular imensa…

Daqui há 10 anos? Não sei bem. Uma mulher com uma capacidade maior de rir de si mesmo.

Se você pudesse dar um conselho para uma criança e um idoso (um para cada), qual seria?
Diria à criança que ela conserve o máximo da pureza de sua inocência…. Nós adultos precisamos muito dessa pureza. E ao idoso que ele diminua a intensidade, chegou a hora de diminuir o ritmo e colher algumas coisas…

Como seria um encontro seu com Deus? E com as pleiades?
Pergunta difícil, como posso saber!? Mas acho que seria como um grande encontro. Um “retorno” saudoso e emocionante <3

gardenia-fontesGardênia Fontes [ FREQUÊNCIAS DE BRILHO | MANÁ ]

Bio: é Pernambucana, nascida no Recife. Formada em Design de Interiores, mas trilha o caminho do auto-conhecimento desde os 16 anos. Atualmente atua como terapeuta de Frequências de Brilho (nível 9), professora de Maná e terapeuta da técnica Metamorfose.

Contato >> +55 81 9-7915-5753 ou gardeniafontes@gmail.com. 

 



Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios