ronald-2

Entrevista: Ronald Guimarães

Publicado em 26/07/2016 • Entrevista

 

Ronald é cearense, pousou no Recife por amor e no amor ficou. Deixou tudo para lá, onde quer que seja esse “lá”. Através do Thetahealing, se reencontrou e se reinventou: para melhor. Por sua amada e por quem ele atende, mas principalmente, por ele mesmo. Quarenta e tantos anos depois de um caminho de aprendizados contínuos, se viu imerso na terapia, num giro de mudança completa e contínua, com mais alegria, prosperidade, glória. Das bagagens que ficaram pelo caminho, carinho. Da bagagem que realmente importa, muito amor. E alegria, porque ele é também amor e alegria. E, a pergunta que não quer calar, que paira sua existência sempre: o que pode melhorar que ainda não está melhor?

 

Ronald, qual a terapia que você mais se afina?

Cada pessoa tem uma identidade maior com uma técnica e assim a cura flui melhor, a pessoa se abre mais. Todas as técnicas são literalmente mágicas, mas no final das contas não sou eu quem decido qual delas usar e sim a própria energia. Sendo assim a afinidade não é minha e sim da pessoa e de sua respectiva energia. Somos apenas um canal de cura. De qualquer forma, posso dizer que tenho um carinho especial pela técnica que me trouxe até aqui que foi o Thetahealing.

 

Quando, em que momento você se percebeu como terapeuta?

Sempre digo que a melhor maneira de você ajudar o mundo é se curando. Quando você muda, seu mundo muda. Não apenas a maneira como você encara o mundo, mas também tudo ao seu redor começa a se manifestar de uma maneira diferente. Tenho cada vez mais me curado e venho percebendo o transbordar dessa cura em tudo que me cerca. Assim sendo, posso me perceber cada dia mais como um espaço terapêutico em movimento! Todos nós somos terapeutas, todos nós temos como mudar o mundo, simplesmente sendo nós mesmos na essência.

 

Você já se sente assim 100% terapeuta?

Me fiz essa mesma pergunta e a resposta foi um sim.

 

O que te motiva a continuar?

Sabe aquela coisa que você faria e se sentiria feliz até mesmo sem receber nenhum dinheiro em troca? Quando você é apresentado a algo que literalmente não é desse mundo. Qual é seu desejo? Levar pra todo mundo, eu suponho. Foi exatamente isso que aconteceu comigo e é isso que me motiva a continuar. Além disso, ver a transformação na vida das pessoas é algo fora do comum.

 

ronald-recifeExiste também um trabalho de dentro para fora, no sentido de fazer mudanças internas para depois começar a atender? 

Há um trabalho de permissão, compaixão, perdão, gratidão e amor por tudo e por todos, inclusive de mim comigo mesmo e isso não para, sempre há algo em que se melhorar.

 

O seu processo foi muito rápido. Existem muitas mudanças internas ainda a serem realizadas?

O tempo é algo literalmente muito relativo. Cinco segundos é muito pouco tempo, porém para quem está sem ar pode ser a diferença entre a vida e a morte. A mudança de consciência pode durar uma vida toda ou mesmo varias e também pode acontecer em um único segundo! Nossa percepção daquilo que acontece com a vida do outro e até mesmo com as nossas é muito pequena. Você diz que meu processo foi rápido, mas não sinto que 42 anos de aprendizado sejam tão pouco. Existem árvores que passam muito tempo crescendo suas raízes para poder dar suporte ao seu crescimento, acho que meu processo se assemelha ao dessas árvores.

 

Como é sua sessão, existe algum diferencial?

Meu diferencial pode mudar facilmente de pessoa para pessoa. Para alguns pode ser o valor que cobro. Para outros gentileza. Talvez a quantidade de técnicas que trabalho e as possibilidades que posso oferecer.

 

Qual a sensação que você tem quando alguém sai da maca mais leve, mais feliz?

É muito bom de fato, mas há de se ter muita sabedoria no administrar dessas sensações, pois às vezes pessoas que não sentem nada ao levantar da maca, têm suas vidas completamente mudadas após uma ou duas sessões de cura reconectiva. Às vezes o que percebemos é algo muito limitado. Então procuro manter a equanimidade.

 

Dentro do consultório, qual a queixa mais recorrente das pessoas e como podemos (nós, o mundo), nos ajudar?

Se eu falar relacionamento talvez seja muito abrangente e com certeza é. Assim, vamos falar do que seria e é o principal em todos os aspectos. O relacionamento da pessoa com ela mesma, com suas emoções e sentimentos. A melhor maneira de nos ajudarmos é nos reconectarmos à nossa essência divina, não há nada e nem lugar nenhum fora de nós que possa resolver nossas questões, se você é infeliz aqui no Brasil e se muda para o Canadá, em questão de pouco tempo será infeliz lá. Não adianta fugir de quem nós somos.

 

Você sente ou sentiu dificuldade em ser terapeuta / homem, trabalhar sua energia yin mais que as meninas já “curadoras”, ou isso é só crença nossa?

Sinto que se houvessem mais homens atuando haveria um processo muito grande de cura tanto no Yin quanto no Yang de ambos os gêneros. Há uma carga muito pesada na sustentação de toda essa dureza, em não poder chorar, expressar seus sentimentos, dor, criatividade, etc… De fato há muitas crenças nesse lugar. Seria possível destruir e descriar tudo isso, por favor?

 

Você acha que agora encontrou a alegria genuína, dá pra descrever ou apenas vivê-la?

Posso dizer que sim, na perspectiva melhor e mais elevada. Ainda passo por meus desafios, é fato! Porém, posso dizer que cada vez mais, consigo lidar com eles de uma maneira mais leve e menos identificada.

 

Se você pudesse dar um conselho para uma criança e um idoso (um para cada), qual seria?

Para a criança eu diria que nunca deixem de ser quem são, não permitam que seus corações sejam empedernidos, não deixem de sonhar e que nada é impossível, que somos verdadeiros super-heróis! Para os idosos eu diria que nunca é tarde demais para amar, perdoar, ser feliz e voltar a ser criança. Nossa vida é construída dia a dia através de nossas escolhas. O momento que temos mais precioso é o agora, pois é nele que temos o poder de fazer algo!

 

Como seria um encontro seu com Deus?

Vislumbro a imagem de alguém que já havia esquecido como era estar em casa, o que era acolhimento, amor, segurança. Alguém que já havia perdido as esperanças em tudo e em todos. De repente essa pessoa volta para o lar e é acolhido com uma energia de amor, fora de toda compreensão. Mas sinto que isso não passa de um vislumbre de que é algo muito maior. Como pode melhorar ainda mais?

 

Ronald Guimarães é Facilitador de Barras, Praticante de Barras, Facelift e algumas outras técnicas de Corpo de Access Conciousness. Trabalha também com Cura Prânica (básico, avançado, psicoterapia prânica, cura com cristais, face lift e bodysculpt), além de Cura Reconectiva e Thetahealing. Contato: Telefone:  (81) 9 9800.1114 | Whatsapp/TIM



Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios