taro

Eu e o tarô

Publicado em 23/02/2014 • Eu fiz

Neste domingo de sol recifense, resolvi dedicar um pouquinho do meu tempo ao que considero algo bem novo na minha vida: o tarô. Na realidade, o tarô sempre se manteve bem distante de mim até uns dois anos atrás, quando minha amiga Luciana (não lembro o motivo), jogou suas cartas egípcias para mim. Ela, desde a infância, brincava com cartas normais e lia nelas situações que iam acontecendo posteriormente. Depois, ganhou seu jogo e usa sua intuição para ler.

Me encantei com a maneira que ela trabalha, sempre voluntariamente e com o maior amor, e aquilo ficou plantado em mim. Este ano comecei a pesquisar mais e mais e resolvi comprar e estudar o tarô. Não foi fácil encontrar um que me encantasse. Fiquei muito em dúvida sobre o histórico, por exemplo o egípcio, e o mitológico, que tinha muito a ver com arte, além do dos anjos e das fadas. Na verdade, não encontrei o das fadas.

Quando o meu tarô mitológico chegou tive muito receio de não saber utilizá-lo, mas ele é bem intuitivo. Dentro da caixa, junto com o jogo de mais de 70 cartas, veio um livro muito explicativo sobre cada arte, cada história da mitologia, e o que ela quer dizer no sentido interior e divinatório quando ela aparece em um jogo.

Estudei cada arcano maior e cada arcano menor, e assim estou aprendendo. A cada jogo você vê os detalhes se modificando e se mostrando pra gente ler. É bem lindo.

Também limpo e energizo as cartas sempre, elas pedem isso e gostam.

Mas, obviamente, como ainda estou no início dessa mais nova jornada, ainda tenho muito que estudar e praticar.

Por enquanto, vou anotando os recados das cartas e conferindo os resultados para que, ao longo do tempo, eu vá confiando ainda mais em minha leitura e possa fazer também para os demais.

Aloha!



2 Comentários

  1. Renatha Shen - Terapeuta
    28 de fevereiro de 2014

    Oi, Muito bom o blog. Eu uso as cartas de Liz Greene também, sua interpretação mitológica muito me agrada. Além disso ela também é uma astróloga muito boa!

    Reply
    • milaribas
      1 de março de 2014

      Obrigada, Renatha! Volte sempre! :)

      Reply

Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios