Jean Baptiste Monge

O meu caminho do amor

Publicado em 23/02/2014 • Eu fiz

Acabo de chegar do workshop O Caminho do Amor, que Ariana Borges trouxe para o Recife com o genial Steve Ramael, um russo que resolveu (?) trabalhar com a cura em suas tantas linguagens. Sinto que minha experiência com o curso ainda não está completa, um círculo se abriu e ainda vai se fechar de certo modo, mas que algo, aqui dentro se transformou. Eu poderia falar sobre todos os rituais do curso e todas as conversas que tivemos, mas vou me concentrar em apenas duas coisas.

A primeira delas é que consegui levar minha mãe para participar desse novo mundo que eu vivo. Minha irmã, que também foi, já tinha sido tocada em um momento anterior. O meu processo foi diferente porque sempre fui desperta para a yoga e para o reiki e, assim que tive oportunidade, comecei a praticá-los e estudá-los. Na medida em que minha transformação pessoal foi acontecendo, elas também foram sendo tocadas ano após ano e, mais recentemente, começaram a experienciar isso mais profundamente.

Hoje, as duas tiveram grandes experiências e ouviram o que era necessário. Sem muito arrodeio, como se diz por aqui, elas saíram transformadas e despertas para iniciar as suas próprias trajetórias com muito mais propriedade e coração aberto para o amor que, no caso da nossa família, está bem relacionado a amor-próprio e aceitação. Que os anjos nos protejam e nos guiem.

A segunda parte diz respeito a mim. Acho que o que mais me tocou e mexeu comigo foi o trabalho realizado pela manhã, quando vendados, debaixo do sol, fomos levados a nos expressar fisicamente pela música que tocava ao fundo. Se você não tem costume de ler minhas viagens, pare por aqui. Hihihi.

Eu, ao entrar em contato com o sol, senti imediatamente a conexão com o universo. Nos ligamos, como quem liga algo na tomada, e caminhei até encontrar literalmente o meu lugar ao sol. Pouco tempo depois eu já entendia o que estava acontecendo. Aquele ser era meu espírito e meu corpo foi se transformando em um girassol, uma das flores de que mais gosto. O amarelo da autoaceitação, da abundância e da alegria estava ali. Eu-girassol agora podia fincar os pés na terra por vários minutos (novidade!) sem me sentir incomodada, pelo contrário, estava criando raízes na terra. Meus braços viraram as folhinhas, que dançavam ao vento. E minha cabeça girava conforme o vento, o sol. Recado dado, recado entendido.

Ancorei de volta da viagem e alguns minutos depois me deu vontade de dançar balé, como na época da infância. Me mexi, ponteei e virei cisne. Um dos meus animais de poder. O descobri há pouco tempo e ainda estamos nos conhecendo, mas, o óbvio que não precisa nem de explicação: não me encaixo mais na história do patinho feio. E ali me abracei, me ninei, ficamos juntinhas, eu e minha criança interior.

Experiência linda que valeu por todo o curso. :)

Gratidão a todos os seres que estiveram lá com a gente e a todos os que estiveram de coração aberto.

Que a mudança continue. Amém!

 

UPDATE: No dia seguinte ao curso, acordei cedo, comi e fiquei perambulando pela casa. Depois fiquei pela cama e apaguei. Senti uma moleza e a garganta inflamada, antes. Então, dormi profundamente por mais de três horas e sem seque pedir, vários anjos vieram até mim e me passaram várias curas. Senti muita plenitude naquilo que vivi, foi muito real. E foi muito suave também. Leve, como só os anjos podem fazer. Me preenchi de paz e de muito amor, ao mesmo tempo que senti ainda mais certeza de que a cura que eu precisava estava começando a acontecer. Muita felicidade. =)

 

A ilustração é do artista Jean Baptiste Monge.



Escreva seu comentário

* Campos obrigatórios